sábado, junho 22, 2024
HomeUncategorizedNão é uma boa sensação para a MotoGP-Ducati: Franco Morbidelli tem de...

Não é uma boa sensação para a MotoGP-Ducati: Franco Morbidelli tem de se adaptar

O recém-chegado à Pramac Ducati Franco Morbidelli termina apenas em P16 no teste de Valência: Tem de se adaptar, especialmente nos travões e à entrada das curvas

Franco Morbidelli começou um novo capítulo na sua carreira na terça-feira. Depois de um período dececionante com a equipa de fábrica da Yamaha, ele substituiu Johann Zarco em Pramac e testou a Ducati Desmosedici pela primeira vez

A mudança para a Ducati é uma grande oportunidade para Morbidelli, já que a falta de sucesso com a equipa de fábrica da Yamaha deixou o italiano a temer pelo seu futuro no MotoGP. Depois de anos com a Marc-VDS-Honda, Petronas-Yamaha e a equipa de fábrica da Yamaha, esta é a primeira vez que Morbidelli pilota uma moto não japonesa.

A familiarização no teste de MotoGP em Valência decorreu sem problemas. No entanto, em comparação com Marc Marquez, que mudou da Honda para a Ducati, Morbidelli precisou de muito mais tempo para registar tempos de volta rápidos. No final, após 69 voltas, Morbidelli ficou em P16 da classificação do dia, a 0,953 segundos.

“Foi um primeiro dia positivo. Tudo correu de acordo com o planeado e conseguimos fazer muitas voltas,” comentou Morbidelli no MotoGP.com. “Isso foi importante para conhecer a moto e compreendê-la o melhor possível.”

“Tinha de perceber como a moto funciona e como a manusear. Andei com a nova moto desde o início e estou bastante contente. Há algumas coisas que ainda preciso de melhorar. Também temos de adaptar um pouco a mota a mim”, reconhece Morbidelli.

“Mas até agora não ajustámos nada. Tratava-se apenas de fazer o maior número de voltas possível”, é assim que ele descreve o teste em Valência. O chefe de equipa da Pramac, Gino Borsoi, comentou o primeiro dia do seu novo piloto na Sky Sport.

“Usámos uma espécie de configuração básica”, revelou Borsoi. “Franco ainda não tem tudo perfeitamente sob controlo na travagem. O travão motor ainda precisa de se harmonizar melhor com o travão traseiro.”

“Ele ainda não consegue andar de forma agressiva e não tem uma sensação perfeita. Primeiro, tem de adaptar o seu estilo de condução à entrada das curvas”, analisa o chefe de equipa da Pramac, que espera que Morbidelli regresse à forma de 2020 na época de 2024, quando terminou em segundo lugar no campeonato do mundo: “Quero mesmo que ele volte ao lugar onde pertence: no pódio!”

RELATED ARTICLES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Most Popular

Recent Comments