quarta-feira, maio 29, 2024
HomeUncategorizedGunners: "Não há carne para os canhões

Gunners: “Não há carne para os canhões

O Arsenal FC está a lamber as feridas após a derrota por 1-0 em Munique. O resultado final é que a eliminação contra o FC Bayern nos quartos de final da Liga dos Campeões foi merecida. As razões – e o que precisa de ser melhorado

Bukayo Saka não quis dizer nada, tal como a maioria dos seus colegas. O internacional inglês deixou a zona mista da Arena de Munique com a cabeça baixa e um olhar vazio no rosto. Pelo menos atendeu ao pedido de uma fã para tirar uma selfie e se forçou a dar um meio sorriso.

Depois, dirigiu-se para a saída e, como muitos profissionais do Arsenal naquela noite, deve ter tido pensamentos semelhantes na cabeça: Porque é que fomos eliminados, porque é que quase todos ficámos aquém do nosso potencial? O que acontece a seguir?
Se ele realmente pensou nisso ou não, isso permanecerá em segredo. Seria óbvio, e por isso vamos juntar-nos à procura de uma resposta.

O Arsenal foi eliminado porque não jogou com os seus pontos fortes

A explicação mais banal também se aplica desta vez, mas a constatação de que os adversários marcaram mais um golo é significativa neste caso. Afinal, o Bayern só marcou um golo, o de cabeça de Joshua Kimmich. O Arsenal, portanto, não marcou, não teve praticamente nenhuma oportunidade real de golo na segunda parte e, acima de tudo, não representou a equipa que ainda está na corrida pelo título da Premier League, no segundo lugar.

O Arsenal foi eliminado porque não jogou com os seus pontos fortes: O contra-ataque foi apenas hesitante, as situações de um contra um não foram suficientemente ousadas, os esquemas de ataque que já conduziram ao sucesso inúmeras vezes, por exemplo, com cruzamentos ou passes para trás para a área e para a marca de grande penalidade como assistência final, quase não aconteceram e, quando aconteceram, falharam redondamente (Gabriel Martinelli). Em termos de desempenho ofensivo, os Gunners só tinham canhões em campo, mas nem sequer assustaram os pardais com eles

E porque praticamente todos os jogadores não estiveram ao seu melhor nível, os Gunners não conseguiram encontrar soluções contra uma defesa apaixonada do Bayern e pareceram apanhados desprevenidos quando os anfitriões saíram do intervalo e coroaram a sua melhor fase com o golo do dia.

Saka é anulado por Mazraoui e Guerreiro

Saka não teve qualquer participação no golo desta quarta-feira – algo que nunca lhe tinha acontecido antes na Liga dos Campeões ou na Liga Europa, quando jogou em profundidade, e que aconteceu pela última vez na Premier League há três anos e meio, na derrota por 3-0 frente ao Aston Villa. O esquerdino foi tocado pelo destro Noussair Mazraoui, que por sua vez foi ajudado por Raphael Guerreiro, que esteve bem, à exceção de um passe incisivo na fase inicial

O hat-trick de erros de Gabriel Martinelli

Mikel Arteta, treinador do Arsenal, ficou naturalmente desapontado após o jogo, dizendo que “os erros são punidos na Liga dos Campeões”, e deve ter pensado em particular em Gabriel Martinelli, que cometeu uma série de erros antes de sofrer o golo decisivo. Em primeiro lugar, não conseguiu pressionar Kimmich, que estava em posse da bola, mas, ao mesmo tempo, posicionou-se tão mal que permitiu a fuga de Leroy Sané, para depois se desligar e só voltar a apanhar a corrida de Kimmich ou registá-la quando já era tarde demais. A ironia da questão: o ritmo é uma das razões pelas quais o brasileiro costuma estar no onze inicial, mas aqui faltou-lhe tanto mental como fisicamente

O facto de o Arsenal ter sido eliminado, pela quinta vez, frente ao Bayern, não é uma vergonha nem um drama. Afinal, a última vez que o clube chegou a uma meia-final foi há 15 anos e, desta vez, voltou a ficar de fora. Mas foi Arteta quem trouxe os londrinos de volta aos holofotes internacionais. No entanto, Arteta também se terá apercebido da época inconsistente que o FC Bayern teve, pelo que é difícil dizer quando é que as hipóteses de chegar aos quartos de final voltarão a ser tão boas. Em termos de desenvolvimento, é pouco provável que a eliminação perturbe o clube ou a equipa. Ganhar a Liga dos Campeões não era uma obrigação, mas também é preciso ter consciência de que não é suficiente fora de casa, pois perderam no Porto. Que precisam de reforços na baliza, na lateral e no meio-campo – mesmo um grande jogador como Jorginho não está a ficar mais novo e muitas vezes teve dificuldades em acompanhar Jamal Musiala.

E há ainda a questão da estrutura geral. Declan Rice é conhecido (na Alemanha) como um excelente defesa-central, mas joga a oitavo, o que lhe falta em termos de espírito. Kai Havertz é um oitavo forte, que corre, joga forte e marca golos, mas joga a avançado centro. Isso funciona de vez em quando, sim, mas ele não é um nove como Harry Kane ou Niclas Füllkrug. Por isso, o internacional alemão também foi eliminado em Munique. Gabriel Jesus é um nove, por vezes demasiado ornamentado, e não um goleador consistente

Três oportunidades de título desperdiçadas

O Arsenal desperdiçou três oportunidades de título, na Taça da Liga contra o West Ham no início da época, na Taça de Inglaterra contra o Liverpool em casa e agora na Premier League em Munique. Na Premier League, o Manchester City e o Liverpool FC são dois rivais pelo título que estão a enfraquecer, e não apenas no que diz respeito à atual ronda da Taça dos Campeões Europeus. Ao contrário do City, os Gunners não têm nas suas mãos a possibilidade de se sagrarem campeões, mas as hipóteses ainda existem.

No ano passado, desperdiçaram uma grande vantagem e uma grande oportunidade e, desta vez, voltaram a falhar a subida. Então, o Arsenal já não é uma equipa, já não é um clube que tem força, que prospera quando se trata de troféus? Uma equipa à qual não falta classe, mas à qual falta resistência mental? Esta ideia pode ter passado pela sua cabeça na quarta-feira, na Arena. Talvez também estivesse a assombrar a mente de Saka

RELATED ARTICLES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Most Popular

Recent Comments