sábado, junho 22, 2024
HomeUncategorizedCecchinello: Honda pensou em retirar-se do MotoGP

Cecchinello: Honda pensou em retirar-se do MotoGP

Lucio Cecchinello, Diretor de Equipa da LCR, fala sobre a situação na Honda e elogia a decisão de continuar a investir no MotoGP em vez de se retirar

Durante anos, o outrora bem sucedido fabricante de MotoGP Honda tem lutado para recuperar o atraso. Depois de celebrar um total de seis títulos com Marc Marquez entre 2013 e 2019, a sua grave lesão no braço no início da época de 2020 marcou um ponto de viragem – não só para o piloto, mas também para a equipa

A

Honda perdeu o rumo do seu desenvolvimento e ficou cada vez mais atrás da concorrência cada vez mais forte. No final do último ano de corridas, Marquez também se retirou e mudou para a Gresini-Ducati.

Nesta altura, a Honda já tinha começado a trabalhar na reestruturação em segundo plano e a aprender alguma coisa com os métodos de trabalho e a mentalidade dos fabricantes europeus agora mais bem sucedidos no sector.

A Honda viu-se confrontada com uma decisão: Ficar ou sair?

Lucio Cecchinello, cuja equipa LCR tem usado motos Honda desde que entrou no MotoGP em 2008, conhece a encruzilhada em que a marca japonesa se encontrava.

“No ano passado, a Honda chegou a um ponto em que teve de tomar uma decisão devido à falta de competitividade da moto: ou investia mais no projeto de MotoGP ou saía,

“A Honda decidiu ficar porque o ADN da empresa vem das motos, mesmo que agora estejam a construir foguetões para o espaço”, continua o chefe de equipa da LCR, expressando a sua satisfação com a direção que a gestão de topo da empresa sediada em Tóquio tomou recentemente.
O que vejo este ano é que há muito mais pessoas da Honda envolvidas. A direção está determinada a restaurar a competitividade do projeto de MotoGP. “

A Honda também está a reorganizar o seu pessoal para 2024

“Isto começa com uma maior disponibilidade para fornecer recursos financeiros”, diz Cecchinello. E também significa que muita coisa mudou em termos de pessoal. Por exemplo, o diretor técnico Takeo Yokoyama foi substituído por Ken Kawauchi da Suzuki há pouco mais de um ano.

No último Grande Prémio do Japão, Shinichi Kokubu, o chefe do projeto de MotoGP, foi substituído por Shin Sato. E o próximo a sair é o Diretor Geral Tetsuhiro Kuwata, que entregará o seu cargo à Taichi Honda em abril

Apesar da saída de Marquez, a equipa parece determinada a passar do último lugar na tabela de construtores para onde deveria estar. E a sua estratégia consiste, em grande medida, em trabalhar lado a lado com a LCR para atingir este objetivo.

Cecchinello já vê métodos de trabalho mais eficientes

“Este ano, a Honda mudou a sua abordagem ao desenvolvimento de motas”, diz Cecchinello. “Anteriormente, a análise inicial era realizada pela equipa de testes, que depois passava as peças para a equipa de fábrica, que por sua vez avaliava se eram boas ou não. Só depois é que vinham ter connosco, logo que estivessem disponíveis.”

“Agora a equipa de testes faz a sua análise e as peças são distribuídas aos quatro pilotos regulares ao mesmo tempo. A HRC recebe os resultados e os dados dos quatro pilotos ao mesmo tempo. Este é um sistema muito mais eficiente”, elogiou o chefe de equipa da LCR.

A sua garagem, com Johann Zarco e Takaaki Nakagami, também esteve em constante diálogo com a da equipa de fábrica durante os testes de MotoGP em Sepang e no Qatar.

RELATED ARTICLES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Most Popular

Recent Comments