sábado, julho 20, 2024
HomeUncategorizedNovo papel para Rodrygo? O que significa Mbappé para o ataque do...

Novo papel para Rodrygo? O que significa Mbappé para o ataque do Real

O Real Madrid, vencedor da Liga dos Campeões, está a reforçar o seu plantel com Kylian Mbappé. Isso é um luxo enorme. E potencialmente um problema para alguns dos seus futuros colegas

Fede Valverde fez um gesto de coração de Rodrygo. Fede Valverde fez explodir uma pequena bomba de emojis. E Vinicius Junior deu-nos um símbolo de relógio – como sinal de que mal pode esperar. Por outras palavras, o jogo com Kylian Mbappé, cuja transferência para o Real Madrid na segunda-feira à noite resultou em vários posts nas redes sociais nos quais os seus futuros companheiros de equipa expressaram grande expetativa. Mas quem é que está realmente entusiasmado?

Demasiados cozinheiros estragam o caldo. Por um lado, são três euros no mealheiro. Por outro lado, a transferência de Mbappé é certamente uma situação (de luxo) para os recém-coroados vencedores da Liga dos Campeões. Também devido à contratação do super talento brasileiro Endrick. Quem é que ainda poderá jogar pelo Real em 2024/25? E onde?

Embora o Madrid não tenha a vantagem de jogar com doze ou mesmo treze homens, pelo menos tem Carlo Ancelotti na linha lateral. Um treinador que costuma adaptar a sua formação ao seu plantel, e não o contrário. Um treinador que faz questão de fazer alinhar todos os seus melhores jogadores. E talvez só depois para ver como é que eles se encontram. Há muito que provou que é capaz de o fazer. Como poderá ser o novo onze inicial do Real?

A transferência do Rei Mbappé está garantida. Vinicius Junior e Jude Bellingham também. O novo triunvirato? Provavelmente não. Bellingham, que quase jogou como falso nove na primeira metade da época, tem vindo a ser cada vez mais retirado nos últimos meses. Os meios de comunicação social espanhóis não são os únicos a sugerir que o jovem inglês será uma parte importante da solução colectiva para substituir Toni Kroos. O próprio Ancelotti já o delineou

Os onze iniciais: uma sociedade fechada?

Em vez do habitual 4-2-2-2, é possível um 4-2-3-1, que Ancelotti experimentou de vez em quando na segunda metade da época passada. Nesta formação, Bellingham poderia jogar na parte mais ofensiva de um duplo-duplo ao lado de Aurelien Tchouameni. Desta forma, nenhum dos jogadores ofensivos consagrados teria de perder o seu lugar.

Vinicius Junior poderia continuar a atacar na ala esquerda, enquanto Fede Valverde também poderia jogar na direita por razões de equilíbrio. Rodrygo, que não tem vontade de jogar no flanco direito, mas que provavelmente não tem perspectivas no esquerdo, poderia assumir um papel de defesa-central ou de defesa-central suspenso, o que lhe convém, uma vez que também é o substituto de Neymar na seleção brasileira. Mbappé, que tem claramente o maior apetite por golos e é o mais provável goleador, estará na frente. Opções alternativas: Tchouameni e Valverde no centro, Bellingham na linha de 10, Rodrygo na direita, para o melhor e para o pior. Vinicius e Mbappé vão provavelmente rodar de qualquer forma

Esta solução não só é concebível, como também não afugenta nenhum jogador-chave. Especialmente porque o jovem Endrick pode inicialmente aceitar ser introduzido no onze inicial como um wild card, tal como o mais velho Joselu, que provavelmente será contratado a título definitivo e será utilizado principalmente nas fases finais. Se o Real precisar de um avançado.

Os jogadores que já foram os primeiros a raspar os cascos na época passada poderão ter de pagar o preço da transferência de Mbappé. Eduardo Camavinga, cujo estatuto caiu um pouco, terá provavelmente de alternar com Tchouameni, enquanto o veterano Luka Modric, que ficará por mais um ano, terá provavelmente de se contentar com os últimos 20 a 30 minutos. O jogador rotativo Brahim Diaz e o jovem Arda Güler também não deverão ter a oportunidade de jogar na equipa principal. É preciso ter paciência. Ou um empréstimo?

Em 2024/25, o Real Madrid terá um plantel mais impressionante do que nunca, com um excelente segundo escalão. Mas as possíveis contrariedades num plantel em que nem Ancelotti consegue satisfazer toda a gente vão passar dos actuais titulares para os candidatos. O Real pode ter que abrir mão de um ou dois jogadores de ataque. Dani Ceballos, por exemplo, provavelmente não tem futuro no clube

RELATED ARTICLES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Most Popular

Recent Comments